Foto: Reuters

Embora tenha feito a maior descoberta de petróleo no mundo nos últimos 50 anos, com a bacia do pré-sal, o Brasil tem hoje uma das gasolinas mais caras do mundo. Isto é consequência direta da Operação Lava Jato e do golpe de estado de 2016, que tiveram como objetivos centrais a transferência da renda da população brasileira para os acionistas privados da Petrobrás. Ontem, Jair Bolsonaro admitiu a participação dos militares no golpe. Com a disparada da inflação, mais da metade dos brasileiros estão reduzindo o consumo de bens essenciais.

“O preço do litro da gasolina no Brasil está cerca de 15% acima da média praticada em 170 países, segundo levantamento feito no site da consultoria Global Petrol Prices, com dados para a segunda-feira da semana passada (11). Na data, o litro do combustível nos postos brasileiros custava R$ 7,192, valor coletado pela consultoria junto à ANP (Agência Nacional do Petróleo) até aquela data —atualmente, está em R$ 7,22. A média mundial era de R$ 6,29”, informa reportagem de Eduardo Cucolo na Folha de S. Paulo.

“O Brasil está entre os dez maiores produtores, mas a capacidade de refino não atende à demanda nacional, levando à necessidade de importação de até 20% do consumo local”, aponta ainda o repórter. Isso ocorre porque os projetos de novas refinarias foram paralisados pela Lava Jato, conduzida pelo ex-juiz parcial Sergio Moro, que pretendia disputar a presidência da República, depois de destruir 4,4 milhões de empregos de trabalhadores brasileiros.

“Os dados da Global Petrol Prices também mostram que o Brasil possui uma das maiores taxas de gastos com o combustível em relação ao nível de renda, de 4,8%, ao lado de países da África e da América Central. Considerando o custo de encher um tanque de 40 litros, ele equivale a 10,8% da renda média mensal do brasileiro. Os números são praticamente o dobro do verificado, por exemplo, na Argentina”, acrescenta o repórter. É por isso que Lula tem anunciado a intenção de mudar a política de preços da Petrobrás.

Fonte: Brasil247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.